News

Garrigues abandona a rede Affinitas e anuncia abertura de escritórios próprios

05/13/2013

A Garrigues decidiu sair da rede iberoamericana Affinitas para apostar num projeto internacional próprio e independente. O mercado latinoamericano é agora a aposta da Garrigues, através da abertura de escritórios próprios.

Apesar de considerar a Affinitas como um projeto extremamente importante, a Garrigues chegou à conclusão – depois de vários meses de reflexão interna – que a atividade na rede não é compatível com os atuais e futuros objetivos lançados pelo escritório. A região é vista pela Garrigues como fundamental, pois só em 2012, 26% dos seus clientes tinha uma presença no continente americano.
Assim, a Garrigues irá agora desenvolver um plano ambicioso para a região, através da implantação progressiva de uma rede de escritórios nos países mais relevantes, com o objetivo de maximizar localmente o compromisso com os seus clientes e a captação de valor a longo prazo.
Para já,  e para além do escritório de São Paulo que já se encontra em pleno funcionamento,  a Garrigues vai abrir escritórios próprios na Colômbia, México e Peru, resultantes da integração de firmas locais onde se exerce direito local.

 
Sobre a Garrigues
A Garrigues é a primeira sociedade global de advogados da Europa Continental tanto por faturação como por número de profissionais. A firma, com a sua inequívoca vocação internacional, oferece uma assessoria integral em todas as matérias jurídicas e fiscais, tem a maior rede de escritórios (27) na Península Ibérica e tem os seus próprios escritórios internacionais em Bruxelas, Casablanca, Londres, Nova Iorque, Tânger, Varsóvia e Xangai.

Sobre a Affinitas
A rede Affinitas formou-se em 2004 e integra aos dias de hoje os seguintes escritórios: Bruchou, Fernández Madero & Lombardi (Argentina), Mijares, Angoitia, Cortés y Fuentes (México), Gómez-Pinzón Zuleta (Colômbia), Barros & Errázuriz (Chile) e Miranda & Amado (Peru).

Share

  • Share in LikendIn
  • Share in Facebook
Attached images:
  • Em 2012, 26% dos seus clientes tinha uma presença no continente americano